Religião

24/09/2011 | domtotal.com

A religião nem sempre conduz a fazer a vontade de Deus


A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 21,28-32, que corresponde ao 25º Domingo do Tempo Comum, ciclo A do Ano Litúrgico. Confira o comentário de José Antonio Pagola, teólogo espanhol.

O perigo da religião

Jesus leva uns dias em Jerusalém movendo-se à volta do templo. Não encontra pelas ruas o acolhimento amistoso das aldeias da Galileia. Os dirigentes religiosos que se cruzam no Seu caminho procuram desautorizá-lo diante das pessoas simples da capital. Não descansarão até enviá-Lo para a cruz.

Jesus não perde a paz. Com paciência incansável continua a chamá-los para a conversão. Conta-lhes um episódio simples que lhe ocorre ao vê-lo: a conversa de um pai que pede aos seus dois filhos que vão trabalhar na vinha da família.

O primeiro rejeita o pai com uma negativa categórica: “Não quero”. Não lhe dá explicação alguma. Simplesmente não lhe apetece. No entanto, mais tarde reflete e dá-se conta que está a rejeitar o seu pai e, arrependido, dirige-se para a vinha.

O segundo atende amavelmente a petição do seu pai: “Vou, senhor”. Parece desposto a cumprir os seus desejos, mas rapidamente se esquece do que disse. Não volta a pensar no seu pai. Tudo fica em palavras. Não se dirige para a vinha.

Para o caso de não terem entendido a Sua mensagem, Jesus dirigindo-se aos “sumo sacerdotes e aos anciãos da terra”, aplica-lhes de forma direta e provocativa a parábola: “Asseguro-vos que os publicanos e as prostitutas estão à vossa frente no caminho do reino de Deus”. Quer que reconheçam a sua resistência para entrar no projeto do Pai.

Eles são os “profissionais” da religião: os que disseram um grande “sim” ao Deus do templo, os especialistas do culto, os guardiões da lei. Não sentem necessidade de converter-se. Por isso, quando veio o profeta João a preparar os caminhos de Deus, disseram-lhe “não”; quando chegou Jesus convidando-os a entrar em Seu reino, continuaram a dizer “não”.

Pelo contrário, os publicanos e as prostitutas são os “profissionais do pecado”: os que disseram um grande “não” ao Deus da religião, os que se colocaram fora da lei e do santo culto. No entanto, o seu coração manteve-se aberto à conversão. Quando veio João acreditaram nele; ao chegar Jesus acolheram-no.

A religião nem sempre conduz a fazer a vontade do Pai. Podemo-nos sentir seguros no cumprimento dos nossos deveres religiosos e habituar-nos a pensar que nós não necessitamos de nos converter nem mudar. São os afastados da religião os que o hão de fazer. Por isso é tão perigoso substituir o escutar o Evangelho pela piedade religiosa. Diz Jesus: “Nem todos os que me digam ‘Senhor’, ‘Senhor’ entrarão no reino de Deus, mas os que façam a vontade do Meu Pai do céu”.

Confira também o comentário do Pe. Jaldemir Vitório (FAJE) e a liturgia de domingo.


Instituto Humanitas - UNISINOS.

Comentários

Mais Lidas
Instituições Conveniadas